Quarta, 18 de Maio de 2022
Tecnologia Tecnologia

Explosão de antigo motor russo espalha lixo espacial pela órbita terrestre

Bases terrestres atualmente estão rastreando 16 fragmentos associados com o evento, que ocorreu em 15 de abril e contribui para o crescente problema do lixo espacial.

13/05/2022 08h51
Por: Redação Fonte: Scientific American Brasil
Imagem - Reprodução Amercian Scientifc Brasil/NASA ODPO
Imagem - Reprodução Amercian Scientifc Brasil/NASA ODPO

Um objeto orbitando a Terra catalogado como #32398 quebrou-se em pedaços em 15 de abril, tuitou a 18º Esquadrão de Defesa Espacial da Força Espacial dos EUA. Dezesseis pedaços de detritos espaciais associados com o evento estão sendo rastreados, acrescentou o esquadrão. 

O objeto #32398 era um motor de esvaziamento de um reboque espacial que ajudou a levar três satélites GLONASS russos à órbita em 2007, de acordo com Anatoly Zak, jornalista e autor que administra o site RussianSpaceWeb.com. (GLONASS é a versão russa do sistema de navegação GPS.)

Essas sondas espaciais GLONASS foram lançadas no topo de um foguete Proton russo. O estágio superior deste foguete possuía dois pequenos motores de esvaziamento, de acordo com o astrofísico e rastreador de satélites Jonathan McDowell, atualmente no Centro para Astrofísica Harvard-Smithsonian. Motores de esvaziamento aceleram os estágios de seu foguete levemente, para garantir que o combustível dos boosters esteja devidamente posicionado nos tanques para que o motor principal faça sua reignição em órbita, explicou McDowell, em uma série de tuítes na terça (03/05). (Nessa situação, a gravidade não faz esse trabalho.)

Esses motores de esvaziamento do estágio superior do Proton são chamados de motores SOZ, e atualmente 64 deles residem na órbita terrestre, tuitou McDowell. A sigla significa “Sistema Obespecheniya Zapuska”, que pode ser traduzido como “Sistema de Asseguramento de Lançamento”, afirmou ele. 

“Os motores SOZ não usam todo seu propelente quando são acionados. E eles possuem uma tendência desafortunada de explodir anos ou décadas mais tarde, deixando muitos detritos em uma órbita altamente elíptica. Pelo menos 54 motores SOZ já explodiram”, tuitou McDowell.

O motor SOZ que acabou de explodir estava girando ao redor da Terra em um trajeto muito elíptico, variando entre 388 e 19.074 quilômetros de distância, afirmou McDowell em outro tuíte, notando que “esses detritos demorar bastante para cair de volta na atmosfera”.

“Então — esse evento de detritos é previsível e bem-compreendido; mas ainda muito desafortunado”, escreveu ele

Lixo espacial é um problema crescente para operadores de satélite e planejadores de missão. A Agência Espacial Europeia (ESA) estima que cerca de 36.500 detritos de pelo menos 10 cm de largura estejam viajando ao redor da Terra. E a órbita terrestre provavelmente abriga 1 milhão de objetos com diâmetros entre 1 e 10 cm, de acordo com a agência. 

A Rússia acrescentou à população de detritos com um teste anti-satélite (ASAT, em inglês) amplamente criticado em novembro de 2021. O país destruiu um de seus satélites desativados com um míssil, fazendo surgir um novo campo de detritos na mesma vizinhança orbital que a Estação Espacial Internacional (ISS, em inglês). Os operadores da ISS tiveram de realizar acionamentos de motor para desviar dos detritos do ASAT russo. 

 

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias